O que preciso saber sobre a Indústria 4.0?

O tema Indústria 4.0 tornou-se o assunto do momento. Se por sua vez a primeira revolução industrial trouxe a mecanização, a segunda ofereceu a eletricidade e os sistemas seriados de produção, junto com a terceira acompanhou-se o surgimento da internet, dos computadores, da eletrônica, robótica e automação.

Já a quarta revolução industrial está trazendo consigo a conectividade e o digital, o “online” se faz presente em todos os aspectos.

Robôs colaborativos, drones, impressora 3D, manufatura digital, big data, cloud, carros autônomos, internet das coisas, realidade virtual, esses e muitos outros assuntos não param de ser comentados nas redes.

Hoje estamos todos em rede e interconectados de alguma forma. A palavra online pode definir bem as transformações que estamos vivenciando. A quantidade de smartphones, informações e dados gerados, disponibilidade de conteúdo em qualquer hora e qualquer lugar, tudo isso vem moldando a sociedade em que vivemos.

A transformação acarretada pela Indústria 4.0 implica em inúmeras adaptações para as indústrias que desejam evoluir para esse novo paradigma, dentre elas podemos citar:

  • Necessidade de integração entre todos os sistemas da cadeia de valor, evitando dessa forma que haja as tão famosas “ilhas de tecnologia”.
     
  • Disponibilidade de informação rápida em qualquer lugar, evidenciando a necessidade do uso da nuvem e de tecnologias móveis.
     
  • Automação e robotização colaborativa, criando o link entre o trabalhador humano e os equipamentos, com o intuito de tornar os processos mais ágeis, flexíveis e produtivos.
     
  • Internet das coisas, realidade virtual e realidade aumentada, permitindo uma fusão entre o real e o digital, tornando os processos, produtos, recursos e pessoas mais interconectados.

De modo geral, as indústrias que estão falando de migração para a Indústria 4.0 são aquelas que já vivenciam pelo menos há 10 anos a terceira revolução industrial, ou seja, já possuem bem firmados esses conceitos e práticas nas suas atividades cotidianas.

Fonte da matéria: Revista Digital